04 novembro 2016

Moon Lovers • REVIEW




Moon Lovers é um dorama de contexto histórico, mas que tirou uma licença criativa aos factos.




S I N O P S E 



Hae Jin é uma mulher do século XXI. Jovem e com um futuro um pouco nublado é apanhada no meio de uma confusão de sentimentos e problemas. Quando deseja por uma vida nova e diferente nunca pensou que iria receber exactamente o que pediu. Ao tentar salvar uma criança de se afogar acaba por ser transportada para o passado.

***

image image image

Decidi que agora seria a melhor altura para escrever esta review, exactamente algumas horas depois de ter terminado a história e estar pronta para enfrentar a memória para escrever uma longa review sobre um dos doramas mais bem concebidos que já tive o prazer de assistir.



Apesar do pouco sucesso que teve na Coreia, devido a inimizade do publico para com a actriz que interpreta a personagem feminina, Moon Lovers tem todos os pontos bons para ser um drama de respeito: um romance, um enredo mais profundo com uma história complexa e um tipo de escrita que não se foca apenas no romance principal. É um conjunto de interacções humanas vividas e fundadas durante anos - Sim a história abrange um limite de, pelo menos, sete anos pelo o que deu a entender.



Outro ponto interessante que posso salientar da história, antes de começar a explicar pedaço por pedaço, é a estética do drama. As cores vibrantes do inicio que foram morrendo aos poucos com o declínio de toda a história. O uso da cor e da saturação, bem como da luz, para criar boas memórias e as más experiências é excelente e para uma série de TV Coreana é bastante rara.





  


O que farias se acordasses num mundo diferente, ou melhor, numa época diferente? Onde gelado, fogão e feminismo eram palavras que só tu compreendias? Eu não sei, mas Hae Ji sabia que sobreviver era o seu objectivo para poder regressar a casa.

Depois de compreender que não estava morta, que tudo aquilo não era um sonho mau e que agora estava no corpo de uma jovem chamada Hae Soo, Hae Jin decide fazer tudo o que pode para sobreviver, enquanto tenta compreender como voltar para casa. Parece fácil, mas nem por isso.

Além de ser mulher, Hae Soo era a prima da mulher de um dos príncipes de Goryeo. Ou seja a sua vida nova era ser dama de companhia da esposa do oitavo rei, preparar curativos para ela e viver praticamente enclausurada, numa mansão perto do palácio real.

Hae Soo tinha sofrido um acidente nas termas e com isso tinha deixado de respirar e tinha falecido durante uns breves minutos. Ou seja, ninguém ficou muito chocado quando ela regressou à vida pensando que se chamava Hae Jin. Não sabia exactamente quem era ou quem eram as pessoas com quem tinha passado a maior parte da sua vida. Hae Jin usa isso para sua vantagem quando tarefas como ler e compreender a ordem hierática da sociedade surgiam no seu caminho.








A nova personalidade de Hae Soo começa a fascinar o oitavo príncipe, Wang Wook, que passa a nutrir um especial interesse na nova e divertida Hae Soo. Os sorrisos e a forma mais despreocupada dela lidar com a vida conquistam-lhe lentamente o coração e Wook realiza a estranha posição em que se encontra - casado com a prima da pessoa que ama.  

Mas isso não o impede de continuar fiel à sua esposa, afinal é apenas uma paixão passageira e logo, logo, Hae Soo casará com qualquer outro homem e poderão seguir com as suas vidas em frente. Porém os subtis olhares dele não passam despercebidos à esposa que compreende melhor que ninguém a situação. Sofrendo de uma doença terminal, Madame Hae sabe que a sua vida está quase a chegar ao fim. Um dos seus grandes desejos é ver a sua querida prima em boas mãos depois de partir e é por isso que, subtilmente a tenta educar para que, quando morrer, Soo possa casar com Wook e dar-lhe filhos e uma vida feliz que ela nunca teve hipótese de retribuir. 


***


Não seria de estranhar que com um feitio de outra geração, Hae Jin começasse a atrair a atenção não só do oitavo príncipe como de todos os irmãos, fosse para o bem ou mal. Hae tinha esse poder nas mãos e com isso vai criando novas aventuras e peripécias. Desde fazendo justiça pelas próprias mãos contra as injustiças de um certo príncipe mimado:


     


Seja reclamar com o quarto príncipe e os seus péssimos modos.





 Ou salvar e ajudar os dois príncipes mais novos. 



      



***





Wang So é o quarto príncipe, filho da primeira rainha, mas foi oferecido como filho a uma das amantes do rei. Desde criança que não entra no palácio e desde muito cedo ganhou uma péssima reputação. Conhecido como o "Lobo", So é um homem perturbado e com um vislumbre negro da vida. Sem ter recebido amor por parte da mãe e do pai, sem ter um sítio para chamar casa, So tem problemas sérios em como comportar-se como uma pessoa educada. A cicatriz que lhe marca o rosto é o seu ponto fraco e por isso usa uma mascara para a tapar. (Falamos de uma época em que cicatrizes e deformidades eram mais que boas razões para se matar um filho ou filha ou tirar um rei e rainha do trono. Marcas e afins eram vistas como algo maculado.) 

Porém Hae Jin não vê problema na cicatriz do quarto e não atura qualquer má atitude para com ela. Os dois criam uma relação engraçada, cheia de resmungos e pequenas discussões que lhes vai abrindo os verdadeiros sentimentos. So apaixona-se por Hae Jin num piscar de olhos, mas sabe que ela gosta de outra pessoa. Apesar disso, diz que nunca irá desistir dela e ficará à sua espera. 



***


Com a morte de Madame Hae a história fecha o seu arco de felicidade. Os problemas ganham outras proporções, o roteiro segue uma via política e de guerra. Wook fica viúvo e sozinho no seu palacete, enquanto que os irmãos voltam para o palácio real. So vive uma relação de amor e ódio com a mãe e quer desesperadamente ganhar o amor dela. O terceiro príncipe continua a engendrar planos para matar o irmão mais velho e conseguir o trono. E um dos irmãos mais novos casa com a filha de um general, mesmo estando apaixonado por Hae Jin. 

Ao ferir-se para não ter que casar com o rei, Hae Jin deixa o seu estatuto de nobreza e passa a pertencer ao castelo como serva e criada da dama da corte real. Começa então o seu treino em ervas aromáticas para criar poções, pomadas e outros afins para a casa real. Ela e a madame Oh criam uma boa relação como se fossem mãe e filha e, apesar de todas as dores de cabeça que Hae Soo lhe dá, a mulher não é capaz de a deixar para trás. O destino das mulheres principais deste drama está destinado a terminar em morte. Para tirar as culpas de cima de Hae Soo, a Dama da Corte Oh, já doente, decide morrer no seu lugar a fim de a proteger.


 



O meu pequeno resumo da história não se compara a tudo o que se passa pelo meio destes apanhados. Os olhares infinitos de boas e más relações e como ânsia por poder consegue destruir a vida de pessoas inocentes. Como a falta de táctica e um coração jovem podem arruinar a história e criar problemas para quem nunca os devia ter tido. 

Madame Oh foi das minhas personagens favoritas do dorama inteiro. Não só ficou ao lado do homem de que amava - mesmo não podendo o fazer como rainha - como também se apercebeu do quão burra foi ao escolher essa vida. A sua figura maternal foi indispensável ao crescimento do carácter de Hae Soo e ela foi mais corajosa que qualquer homem foi em toda a trama. Ela realmente salvou Hae Soo/Jin de si própria. 


Finalmente, o rei falece e com isso instala-se uma crise politica. O terceiro príncipe decide fazer uma rebelião para poder tomar conta do palácio, mas é traído pela seu oitavo irmão. Numa batalha, Wang So mata-o e deixa-o cair de uma falésia. Avançamos depois dois anos na história.


Wang Yo não morreu às mãos de Wang So. Esteve apenas escondido o tempo suficiente para realizar um novo ataque e desta vez conseguir o que realmente queria: o trono. O rei tinha sido envenenado lentamente por mercúrio nos últimos dois anos. Com a morte dele, Wang Yo sobe ao poder e com chantagens consegue trazer Wang So para o seu lado. 

No entanto, pouco satisfeito com um dos ramos da família real, que queria colocar Wang Eun, o décimo príncipe, no poder. Wang Yo decide assassinar a família do irmão e consequentemente o príncipe e a sua esposa. Wang Eun morre finalmente, quando se apaixona pela esposa. 




Dois anos se passam na história. Hae Jin continua no palácio servindo o novo rei. Wang So foi encarregado da construção do novo palácio. E Wang Yo começa a perder o juízo com todos os pesadelos que o assombram nos últimos anos de vida. A culpa em ter morto o irmão mais novo, mais a ansiedade de poder morrer a qualquer momento vão destruindo o jovem rei momento a momento. E num momento de fragilidade ele acaba por morrer e Wang So fica rei, segundo um testamento deixado por Wang Yo. 


***


Queria dizer que este é um lindo romance, com um  fim bom onde Wang So e Hae Soo vivem felizes para sempre. Onde Wang So se torna um rei bom e justo e ela uma ótima e respeitada rainha. Mas estaria a mentir. Estaria a escrever uma nova história e não a original ou a que faz parte dos livros de história. 

Wang So torna-se um rei vingativo, que corre atrás de todos os que não confiam nele. Mata sem piedade os infiéis  e todos aqueles que não seguem as suas ordens.

Hae Soo apaixonou-se por Wang Wook, pela voz bonita dele e como ele a tratava bem e com respeito. O seu coração mudou de ideias quando conheceu Wang So que, como o irmão, não queria ser rei. Apaixonou-se pela personalidade frágil e pelo seu jeito honesto. Hae Soo amou dois homens errados que lhe vieram apenas trazer infortúnios.  Dois homens que, ao contrários das personagens femininas da história, não foram corajosos o suficiente para a salvarem.



         



***



+ Razões para verem Moon Lovers



Actuação 10/10:

          




Romances fofos:







Cenários perfeitos:


       



***



PERSONAGENS

         

-º-


      



PERSONAGENS FAVORITAS:

Baek Ah é o meu personagem masculino favorito. Adoro a personagem e foi bastante consistente do inicio ao fim. Bonito, cabelo fabuloso e amante de todos os tipos de artes, Baek é o único príncipe que não tem o nome Wang, já que a familia do lado da mãe caiu em desgraça. Ao contrário dos outros principes, Baek compreende melhor que ninguém o que é a vida fora do palácio e como as acções dos governantes podem ter um grande impacto na vida dos subordinados. O seu amor puro para com o Woo Hee é especial e, mesmo depois de ela falecer o seu coração continua-lhe para sempre fiel. 

  

  
Wang Jung coleccionou um carinho especial a partir do episódio 18 [ALERTA SPOILER]. De todos os homens que amaram Hae Soo ele foi o único que realmente a ouviu. Ao contrário dos seus dois irmãos mais velhos que decidiram que por a amarem já sabiam exactamente o que ela necessitava. Jung escutou até ao fim ao desejo de Soo. Até criar a filha dela e de Wang So. 


      




Lembram-se quando falei da filmografia? De como, lentamente, a história vai perdendo cor? Estes últimos gif representam finalmente o que eu estava a dizer. Mas antes de os mostrar quero apenas dizer que todo o drama valeu a pena; estive desde Agosto a acompanhar uma das histórias mais bem escritas e fantásticas de sempre. Lamento que não tenha tido mais views no país de origem, mas espero que os actores tenham sentido o amor dos fãs internacionais. Não sei se espero que haja uma segunda temporada como na versão chinesa. Mas espero pelo menos algum episódio especial para preencher o vazio que sentimos nos últimos minutos. E agora despeço-me. Obrigada a quem leu até aqui.


 
 
 
 
 




1 comentário:

  1. quero muito ver o dorama, mas fiquei ofendida por não mencionares que Byun Baekhyun é um dos príncipes porque É O BYUN BAEKHYUN E NÃO MENCIONIASTE é ofensivo

    ResponderEliminar

Disclaimer

Todos os conteúdos aqui apresentados têm os direitos reservados aos respetivos autores. À partida, todos os textos neste blog são da autoria de Rafaela Silva, Aléxia Oliveira e Mónica Simão, exceto em referência contrária, e não devem ser reproduzidos, adaptados ou copiados de forma alguma sem consentimento prévio. Todas as fotografias com marca de água de Rafaela Silva ou RS Fotografia e Design têm os direitos exclusivos de Rafaela Silva. As fotografias com a marca d'água de Lemao Doce ou Limão Doce pertencem exclusivamente ao blog. E todas as imagens não assinaladas pertencem aos respetivos autores e provavelmente virão de sites dedicados a imagens de stock (ver: 'Recursos')
Com tecnologia do Blogger.

Seguidores

Google+ Followers