27 junho 2016

O tempo que precisares • Texto


Texto também publicado no Spirit
Dou-te todo o tempo que precisares. Um fim de semana, uma semana, um mês. Todos os ponteiros do relógio. Doze badaladas a multiplicar por vinte, ou trinta, ou cem. O número que quiseres.
Assina um papel com o número de dias e horas que precisas para ti e para pensares no nosso caso. Mas não esperes que eu espere por ti.
Não quero esperar. Estou farta de esperar. Dou-te todo o tempo do mundo, só te peço que não tires o meu.
Eu não vou ficar parada. Não vivo para ti nem para os teus caprichos, muito menos para as tuas epifanias, em que te lembras de que talvez não gostas de estar comigo.
Toma o teu tempo. Pensa, no sossego da tua casa, sentado no sofá, iluminado pela luz da TV. Diverte-te, no frenesim da discoteca, a beber shots coloridos com amigos novos e amigas novas. Experimenta. O que quiseres.
Eu não te pressiono. Não te privo de nada. Mas eu também não vou esperar por ti. E não digas que é egoísmo. Egoísmo é o modo de como me retiras da tua vida quando as coisas começam a ruir.
Dou-te todos os tiques e os taques de que precisares, mas relembro-te que, enquanto o teu relógio está parado, o meu continua a funcionar.
Por isso, não penses que estarei, submissa, à tua espera. Farei o que muito bem quiser e entender. Porque a minha vida já parou muitas vezes por causa de todos os momentos que quiseste tirar para pensar se querias que eu continuasse ao teu lado ou não.
Gosto muito de ti, mas odeio o tempo que me pedes.
Pensando bem, podes ficar descansado. Apercebi-me de que não vales o meu tempo, nem eu o teu. Podes deixar de parar o relógio por minha causa.
Quando decidires o que quer que seja, vou sair da tua vida e do teu horário.  

Imagem retirada daqui.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Disclaimer

Todos os conteúdos aqui apresentados têm os direitos reservados aos respetivos autores. À partida, todos os textos neste blog são da autoria de Rafaela Silva, Aléxia Oliveira e Mónica Simão, exceto em referência contrária, e não devem ser reproduzidos, adaptados ou copiados de forma alguma sem consentimento prévio. Todas as fotografias com marca de água de Rafaela Silva ou RS Fotografia e Design têm os direitos exclusivos de Rafaela Silva. As fotografias com a marca d'água de Lemao Doce ou Limão Doce pertencem exclusivamente ao blog. E todas as imagens não assinaladas pertencem aos respetivos autores e provavelmente virão de sites dedicados a imagens de stock (ver: 'Recursos')
Com tecnologia do Blogger.

Seguidores

Google+ Followers