30 maio 2016

Abusos sexuais: como os evitar • 5 dicas para parar este crime


 
Foto retirada daqui
Antes que se torçam narizes com o título: calma. Este texto era para estar no final dos “pontos”, mas, para evitar confusões, escrevo-o aqui.
Infelizmente a ideia de que as mulheres (digo mulheres porque elas representam a grande maioria que sofre com este ato inumano) é que têm de evitar serem abusadas sexualmente está presente na nossa sociedade e no cérebro de alguns desinformados da vida.
O chamado “culto da violação” existe mesmo. “Ah, mas a maioria das pessoas diz que violar não é correto! Isso não é verdade, isso não é possível”. É, sim, possível. Porque o “com esse batom ela merecia”, “com a saia que vestia queria o quê?”, “se estivesse na escola isso não acontecia”, entre outros, são frases que se ouvem dizer e que pretendem justificar os atos injustificáveis do agressor.
Isso é inexplicável, isso é algo completamente descabido. Não há nada, nada, que justifique uma violação. Muito menos uns calções curtos, um batom vermelho ou uma bebida a mais na discoteca.
Não é a mulher que tem de evitar ser violada. São os agressores que tem de evitar violar.

Ponto de vista clarificado e justificado, vamos para as "dicas":


1. Quando ela está bêbada, isso não é uma oportunidade

Se vires uma rapariga vulnerável por causa do álcool e isso despertar os teus “impulsos sexuais”, lamento informar-te, a única oportunidade que deverias ter era a de refrescar o único neurónio que tens no cérebro com um balde de água bem gelado na cabeça.
Ela tem o direito de beber, dançar e se divertir da maneira que melhor entender. Tu, pelo contrário, não tens o direito de te aproveitares do estado pouco ébrio dela.
Podes beber quando e quanto bem te apetecer, sem a preocupação de que algum idiota te aborde com segundas intenções. Então porque é que ela não pode?

Maneira de evitar um abuso sexual: Se ela está bêbada e diz “não”, é não.



2. Se ela usa calções, isso não é um “pedido”

Calções, saias, calças ou leggings. A maneira como ela se veste não é razão para que as tuas mãos toquem, sem consentimento, onde não devem.
Se usar calções fosse uma tradução para “pega em mim, leva-me para um sítio escondido e faz o que quiseres”, nenhuma, nenhuma mulher usaria calções.
Como a democracia e a liberdade de escolha existem cada um veste-se como bem entender e não deve ser atacado por causa disso.
Não, não usamos calções ou saias porque queremos ser abusadas sexualmente por um monstro. Usamos porque está calor, (ou porque é Inverno e cada um veste-se como quer), usamo-los porque nos sentimos bem a usá-los. Usamo-los para bronzear as pernas, usamo-los para aproveitar a depilação pré feita, usamo-los para impressionar o homem de quem gostamos.
Ela usa calções porque pode e quer. E tu não podes tomar isso como um convite para algo que ela não deseja. 

Maneira de evitar um abuso sexual: Se ela está a usar calções/saia/calças/decote/gola alta e diz “não”: é não.



3. Se ela usa batom vermelho: isso também não é um pedido

Na verdade, isso é uma cor.
Se a primeira coisa que pensas ao ver uma mulher a usar batom vermelho é: “está de batom vermelho, é porque a) quer ter sexo b) é uma puta”, por favor, pede desculpas ao mundo por tal pensamento retrógrado, machista e repugnante.
“Ah, mas saiu com aquele batom vermelhão, mereceu!”. Não. Não, não mereceu. Ninguém merece. O que é que uma camada de tinta nos lábios dela tem a ver com o comportamento asqueroso que tiveram ou pensaram em ter?
Não justifiquem este tipo de crimes.

Maneira de evitar um abuso sexual: se ela está a usar batom vermelho/rosa/nude/gloss/hidratante e diz “não”: é não.
  


4. Se ela sair à rua sozinha, isso não é um “deveria ter tido mais cuidado”

Se ela for por uma viela, isso não é uma provocação, é medo. Se ela apressar o passo, isso não é um jogo, é pavor. Se ela te ignorar quando tu a chamares isso não é falta de educação, é o desespero de chegar a casa sã e salva.
Uma mulher não tem de evitar “andar sozinha”. O que se tem de evitar é que haja monstros que se aproveitem delas quando estão sozinhas. O que se tem de evitar, de exterminar, de mudar.
Ninguém deve ter medo de andar sem acompanhamento.

Maneira de evitar um abuso sexual: se ela está sozinha na rua/discoteca/igreja/quarto/escola e diz “não”: é não.



5.  Se ela disser “não”, isso não é um sim

Se ela disser “não”: ela não “está a fazer-se de difícil”, ela não está a “jogar um jogo”, ela não está a pedir que insistas. Se ela disser “não” ela não está a pedir para que lhe tires a roupa. Se ela disser “não” ela não está a querer que lhe abras as pernas. Se ela disser “não” ela não está a gostar que a tua mão lhe apalpe os seios.
Se ela disser “não” ela não está a querer dizer “sim”.


Maneira de evitar um abuso sexual: se ela disser não: é não.  



1 comentário:

Disclaimer

Todos os conteúdos aqui apresentados têm os direitos reservados aos respetivos autores. À partida, todos os textos neste blog são da autoria de Rafaela Silva, Aléxia Oliveira e Mónica Simão, exceto em referência contrária, e não devem ser reproduzidos, adaptados ou copiados de forma alguma sem consentimento prévio. Todas as fotografias com marca de água de Rafaela Silva ou RS Fotografia e Design têm os direitos exclusivos de Rafaela Silva. As fotografias com a marca d'água de Lemao Doce ou Limão Doce pertencem exclusivamente ao blog. E todas as imagens não assinaladas pertencem aos respetivos autores e provavelmente virão de sites dedicados a imagens de stock (ver: 'Recursos')
Com tecnologia do Blogger.

Seguidores

Google+ Followers