16 janeiro 2016

Roubar estrelas • Texto



Agora somos cerveja, jantares de sandes de presunto debaixo de uma árvore ao pé do lago; Dormir a ver as estrelas. Somos tardes de verão em cima da toalha branca no campo verde sarapintado de várias cores. E somos o riso da juventude. Até agora tudo é incerto e pouco previsível. Viver o momento sem planear o futuro é o que interessa os nosso corações jovens.

Mas e quando eu quiser vinho no meu copo? Quando preferir passar as minhas tardes a contar feijões que a destruí-los? Quando quiser presunto fatiado antes de uma refeição e o pão apenas de manhã? Será que me vais dar a mão? Quando eu deixar de pensar em incerto e querer um plano, estarás também presente, ou preciso de ir e encontrar alguém com quem roubar estrelas em vez de as admirar?






Aléxia Oliveira

4 comentários:

Disclaimer

Todos os conteúdos aqui apresentados têm os direitos reservados aos respetivos autores. À partida, todos os textos neste blog são da autoria de Rafaela Silva, Aléxia Oliveira e Mónica Simão, exceto em referência contrária, e não devem ser reproduzidos, adaptados ou copiados de forma alguma sem consentimento prévio. Todas as fotografias com marca de água de Rafaela Silva ou RS Fotografia e Design têm os direitos exclusivos de Rafaela Silva. As fotografias com a marca d'água de Lemao Doce ou Limão Doce pertencem exclusivamente ao blog. E todas as imagens não assinaladas pertencem aos respetivos autores e provavelmente virão de sites dedicados a imagens de stock (ver: 'Recursos')
Com tecnologia do Blogger.

Seguidores

Google+ Followers