21 abril 2017

10:14

Prateleira de sonhos vazia

Design. Canva

Quando penso no futuro, é a tua imagem que me vem à mente. Um infinito de possibilidades refletidas nos teus olhos cor de mel e o doce vestígio dos sonhos que já tiveste, tens e poderias ter. Gostava de fazer parte de alguns deles; E gostava que visses nos meus olhos o que eu vejo nos teus. Uma dócil esperança que me acompanha sempre que penso em ti.

Imagino-nos num apartamento vulgar, com mobília simples e decoração simbólica. Sabes, lembranças das nossas viagens pelo mundo: uma miniatura na Torre Pizza na mesa da sala, sobre uma toalha açoriana; uma estátua de Buda que trouxemos do Tibete no móvel do corredor, rodeada de velas aromáticas indianas e incenso. Uma máscara mexicana pendurada na parede da sala, mesmo ao lado daquele quadro engraçado que comprámos na Alemanha; sem mencionar a estante repleta de livros, os teus e os meus, e ainda os CD’s e DVD’s que vamos acumulando das nossas bandas e filmes favoritos; aqui e ali podemos ter fotografias nossas, apenas para recordarmos pequenos momentos quando olhamos para elas.

Tu sabes que eu odeio tabaco, mas não te incomodarei se te limitares à varanda quando quiseres alimentar o vício. Em contrapartida, espero que não me perturbes quando estiver a meditar – é importante para o meu equilíbrio emocional. Não me queres ver a explodir de cada vez que entornas a cerveja no tapete, pois não? A cerveja é mal empregada e o tapete foi-me oferecido pela minha avó. E sim, podemos ter um mini-bar, para guardares toda a tua coleção de vinhos e águas-ardentes de que tanto gostas.

Podemos ter sessões de cinema em casa de vez em quando. Eu deito a cabeça no teu colo, ou tu no meu, e vemos filmes enquanto brincamos com o cabelo ou afagamos a mão um do outro. Rimo-nos com as comédias, seguras-me a mão com os filmes de terror, aturas as minhas crises de romantismo com as comédias românticas, acompanho-te nos filmes de ação, e ajudas-me a compreender aqueles thrillers psicológicos altamente confusos. Por fim, um de nós adormece antes dos créditos finais e o outro aguarda até a tela preta desaparecer para o despertar.

Tentarei não gritar contigo quando subitamente alterares os teus planos; mas apenas se evitares comentários sobre a noção de moda das minhas amigas, ou se não me obrigares a ficar em casa quando os teus amigos cá vêem. Não me interesso por futebol, prefiro ir até casa de alguma amiga durante esse tempo, e agradeço que sejas compreensivo nisso. Até vos deixo a cerveja no frigorífico e os aperitivos todos à mão para te facilitar as coisas.

Também agradeço que não critiques a minha coleção de sapatos. Afinal de contas, aquela caixa debaixo da cama está cheia de figuras de ação sem utilidade e eu nunca me queixo dela. E podes crer que vou transformar o quarto de hóspedes no meu ateliê. Pendurarei os meus desenhos nas paredes, muitos deles de ti, e forrarei o chão com papel de jornal para não sujar os ladrilhos. Uma vez por semana vou trancar-me lá dentro e exigir sossego – aproveita essa altura para chamar os teus amigos para uma partida de póquer. Sei que gostas de póquer.

Não deixes o calçado espalhado pela casa. Eu não deixo o meu, pois não? E por favor, pendura o casaco no cabide do hall de entrada – sabes que odeio engomar roupa e deixá-lo largado num sítio qualquer não ajuda muito. Creio que podemos ser um casal perfeito, ou chegar perto disso, se cumprirmos as nossas próprias regras.

Eu sei. Estou a sonhar demasiado alto. Não tenho culpa se o meu coração se contrai dolorosamente quando penso em ti, ou se choro impiedosamente ao lembrar a tua voz quando dizias que me amavas. Acredito que ainda me amas, sabes? Porque nunca se deixa de amar – apenas se ama menos. Espero que possamos reatar quando eu for ter contigo. Esta distância está a consumir a minha alegria, a torná-la em cinzas nostálgicas e saudade. Porque preciso de ti aqui, para me abraçares e dizeres que está tudo bem, que ficará ainda melhor, que continuará tudo ótimo. Mas não está bem. E jamais estará.

Aquele fatídico dia tirou-me tudo o que eu tinha. Ninguém liga às campanhas da polícia quando eles alertam para os riscos de conduzir embriagado. Aquele teu amigo, o que sobreviveu, não deu atenção aos milhares de vezes que viu o alerta. E graças à sua insistência em ignorar o que é sábio, quatro jovens – tu incluído – foram vítimas da sua imbecilidade. Espero que ele carregue a culpa para o resto da vida, porque ele tirou-me tudo.

O apartamento, as recordações, as sessões de cinema, o ateliê com desenhos teus e acordar todos os dias ao teu lado – tirou-me tudo isso e mais ainda. Tirou-me aquilo que eu mais amo, a alma mais nobre que eu já conheci, o sorriso mais belo que eu já vi, os olhos mais vivos que eu já encontrei, e o abraço mais aconchegante que já senti.

Tirou-me tudo. Tirou-te de mim.



14 abril 2017

10:02

O Lago dos Sonhos, de Juliet Marillier

Design. Canva

O Lago dos Sonhos
Blackthorn e Grim - Livro 1

Edição/reimpressão:2015
Páginas: 448
Editor: Editorial Planeta
ISBN: 9789896576288



Sinopse: Em troca de ajuda para escapar a um longo e injusto encarceramento, a amarga curandeira mágica Blackthorn jurou pôr de lado o seu desejo de vingança contra o homem que destruiu tudo o que lhe era querido. Seguida por um companheiro de clausura, um homem grande e silencioso chamado Grim, ela viaja para o norte, rumo a Dalriada. Aqui, viverá na orla de uma misteriosa floresta e terá de cumprir, durante sete anos, a promessa que fez ao seu libertador: aceder a todos os pedidos de socorro que lhe forem dirigidos.
Oran, príncipe herdeiro do trono de Dalriada, esperou com ansiedade a chegada da sua noiva, Lady Flidais. Conhece-a apenas por via de um retrato e da poética correspondência que trocaram entre si e que um dia o convenceu de que Flidais era o seu verdadeiro amor. Oran descobre, porém, que as cartas também mentem, pois, embora igual em aparência à imagem no retrato, a sua noiva vem a revelar-se uma mulher muito diferente da criatura sensível e sonhadora que escreveu aquelas cartas.
Nas vésperas do seu casamento, o príncipe não vê saída para a o seu dilema. Mas corre o rumor de que Blackthorn possui um dom extraordinário para a resolução de problemas espinhosos, e ele pede a sua ajuda. Para salvar Oran das suas insidiosas núpcias, Blackthorn e Grim vão precisar de todos os seus recursos: coragem, engenho, astúcia e talvez até um pouco de magia. - Wook

Podes adquiri-lo AQUI.


Resultado de imagem para o lago dos sonhos Juliet MarillierResultado de imagem para Dreamer’s Pool
Versões portuguesa e inglesa do livro 

Ler uma obra de Marillier é entrar num universo de onde não queremos sair. E enquanto cada livro conta uma história diferente, todos estão interligados de uma forma muito única. Seja pela peculiaridade da escrita, seja pela intersecção dos universos, seja pelas relações entre os personagens dos diversos livros. Uma coisa é certa: cada livro é muito especial, mas sempre com o mesmo espírito dos seus parentes.

É engraçado recordar que a primeira obra que li de Marillier é uma das menos consideradas pelas críticas. Mas guiou-me para muitas outras e actualmente encontro-me amarrada a um amor inabalável pelos livros desta autora. Já por diversas vezes eu comprei um livro dela em olhar sequer para a sinopse – aliás, este foi um desses livros. Olhar para o título e verificar que ainda não li esse é suficiente, porque tenho uma confiança nesta autora que me permite fazer isso. Simplesmente sei que qualquer livro dela que eu leia vai ser excelente.

O tamanho deste livro em particular pode ser ligeiramente intimidante para quem, como eu, perdeu completamente o ritmo de leitura. Quando peguei nele, já tinham passado vários meses desde que eu tinha lido um livro completo. Com a faculdade e as complicações da vida, a literatura ficou de lado por algum tempo. Assim sendo, quando comecei a lê-lo, as minhas estatísticas apontaram que talvez o acabasse numa semana.

Li-o em dois dias.

Resultado de imagem para A Torre de Espinhos de Juliet MarillierResultado de imagem para the tower de Juliet Marillier
Sequela; edição portuguesa e original

A escrita é muito fluída, típica de Marillier. Uma conjunção de arcaísmo com simplicidade, recorrendo ocasionalmente a expressões típicas da época em que a história decorre. A principal diferença deste livro para outros, além da própria história, está, talvez, na menor presença do místico. Sim, ele está presente. Mas ocasionalmente e não como algo principal. Os protagonistas são pessoas fortes que ditam o seu próprio caminho, mesmo quando limitados por um pacto sobrenatural. Contudo, isso não o torna melhor ou pior que os outros livros. Apenas ligeiramente diferente. Porque é um livro extraordinário à mesma.

Há várias pequenas histórias dentro da história principal. A da protagonista, Blackthorn, é uma história perturbadora e cheia de mágoas. A história por trás de uma mulher muito forte, corajosa e cheia de valores. Foi emocionante ver Blackthorn erguer-se a meio de um julgamento e discursar diante de todos a importância de não culpar as vítimas pelos crimes de outros, entre muitos outros momentos onde ela mostrou atitudes dignas e de grande coragem. É uma mulher de ferro, quase selvagem, independente e feroz.

Já a história de Grim ficou por contar. Lamento profundamente isso. Mas tudo indica que haverá mais volume desta mesma história. Eu espero. Grim é um bom homem, com uma passado claramente transtornante, mas que consegue manter bondade e lealdade no coração. Eu realmente gostava de conhecer a sua história.

Há vários outros personagens de relevância, mas terão de ler o livro para os conhecer. E cada uma delas tem algo de importante a acrescentar, algo de especial no seu modo de ser – para bem ou para mal.

O livro agarrou-me. Prendeu-me numa teia pegajosa de emoção, aventura e mistério. Pousá-lo era difícil, terminá-lo foi como perder um pedacinho de mim. E agora, como de todas as vezes que leio algo da Juliet, só quero ler mais e mais.


07 abril 2017

11:40

Freebie: 5 Posters Cactos p/ Imprimir + Wallpaper Desktop


Quem gosta de freebies, ponha a mão no ar! Quem gosta de freebies de cactos, que ponha o pé no ar! E quem gosta de freebies de posters de cactos, que pule no ar! Agora vamos rodopiar e fazer a dança da chuva em nome do nosso amor por cactos. 

Pois é, cactos são maravilhosos, e são as plantinhas perfeitas para ter no escritório, no home office ou na secretária onde estudamos. Ou no quarto, na sala, na varanda, na cozinha, no... Ok, já deu pra perceber, dão pra ter em qualquer sítio, né? Ok, são maravilhosos, pronto. E eu adoro cactos. Por isso, o que pode ser melhor do que uns posters de cactos? E gratuitos! 

E não só temos 5 posters de cactos, como cada um deles tem um estilo diferente - para todos os gostos estéticos! Ah, e quase me esquecia de dizer que também há um wallpaper! Wow, a veia artística atacou agora, não é? Além disso, um wallpaper! Num modelo também de lineart, mas uma lineart kawaii com aquarela.

É importante dizer, antes de mais, que todos esses cactos maravilhosos são recursos do Freepik, o meu site favorito do mundo no que toca a recursos para design.

Vamos lá então ver esses cactos! Digo... freebies!



Obter Tudo Pelo Incrível Preço de UMA PARTILHA:
.

Gostaram? Fiz com todo o carinho, e eu própria uso o wallpaper no meu desktop e tenho os posters afixados no meu quarto. E vocês? Além de cactos, do que é que gostam? Talvez eu possa fazer freebies disso. ;)


03 abril 2017

19:14

My empties





Olá, queridos lemonetes! Venho entregar-vos o post de Segunda-Feira! 

Já agora viram o novo visual do blog? Não só trocamos quem posta quando, como também demos uma reinventada no blog. 
Ps: Sou a única que adora o novo logótipo?! 

Então, no post de hoje vou falar-vos dos produtos que infelizmente terminei nas últimas semanas/meses, e também quais tenciono comprar novamente. Vamos lá então?




CABELO

L'OREAL - OIL RICH MASQUE THICK HAIR 

Eu adoro, adoro imenso esta máscara. Tendo imenso cabelo e muito seco, não há nada como uma boa mascara de hidratação para nos ajudar a ter um cabelo saudável. E, depois de muitos anos a tentar encontrar uma máscara que me faça verdadeiramente feliz, esta linha da L'Oreal conseguiu. Da coleção Mythic Oil. Já tinha experimentado um elixir, que também recomendo a tentarem, se tiverem dinheiro para gastar ou, como eu, sejam o tipo de pessoa que prefere gastar um pouco mais em produtos para ter resultados e não desperdiçar dinheiro em coisas mais baratas e que não funcionam. (Falo no meu caso; há produtos baratos que realmente funcionam. Continuem a ler este post para os encontrarem wink emoji)
Pessoalmente quero experimentar também a gama de champô e condicionador, mas por enquanto vou ficar pelo os que tenho usado da Tresemmé (Oil Radiance). 


BODYSHOP - RAINFOREST MOISTURE HAIR BUTTER

 Quando tinha dezasseis anos, os produtos de cabelo da Body Shop eram tudo o que eu adorava, principalmente para o meu cabelo. Porém, só o meu amor pela máscara continuou estes anos todos. É assim: comparando com a da L'oreal, eu prefiro a primeira. Para o meu tipo de cabelo e textura, acho que a riqueza de óleos da outra máscara ajuda-me mais a ter uma textura suave e brilhante. Além de que a primeira é muito mais económica. 500ml de L'Oreal é o mesmo preço que os 200ml desta. 


CARA

LE PETIT OLIVIER - 5 MIN MASK 

Super hidratante, barata e que gostaria de poder comprar mais. Infelizmente ainda não encontrei a vender em Portugal, mas da próxima vez que for a Paris podem ter a certeza que esta pequena maravilha vai voltar a ser comprada. Não me lembro bem, mas o preço rondava os sete euros. Como uma pessoa que sofre com pele extra-seca (coloquem mais dois 'extra' antes de 'seco'), esta máscara ajudou-me bastante a sentir-me confortável, especialmente no inverno e durante o verão, quando vou à praia. No momento, substituí esta máscara por uma da Avéne, de também cinco minutos. Mas como  está a acabar, gostaria de outras sugestões para experimentar. Se tiverem alguma para me recomendar, please, aceito. Ou se quiserem que experimente alguma e faça uma review depois, também agradeço!


LE PETIT OLIVIER - NIGHT CREAM

 Vou ser completamente honesta: o cheiro não é dos melhores. Bem, pelo menos na minha opinião não é. Não sou fã do cheiro a Aragão, mesmo que a minha pele e cabelo apreciem, e ainda não consegui habituar-me ao cheiro. Mas colocando o cheiro à parte, este creme, que infelizmente também não encontro à venda cá, é lindo, maravilhoso e a minha pele fica suave e hidratada e é tudo aquilo que eu precisava e ainda preciso. Não sei se o creme parece apenas maravilhoso porque o de agora não tem sido assim tão bom (prometo postar uma review num futuro próximo), ou é porque ele é realmente lindo e perfeito e mágico sem comparação. Novamente, como não estou a gostar assim tanto do meu actual creme, aceito sugestões de produtos que me aconselhem ou que querem que experimente e faça uma review sobre!


BODY SHOP - DROPS OF YOUTH SERUM 

Bom, mas não assim tanto. No início era exactamente o que eu queria, mas depois não foi exactamente o que eu precisava. O produto tem um bom cheiro, e faz o seu trabalho, mas a minha pele é demasiado seca e não consigo sentir-me hidratada o suficiente. Mas para quem tem pele seca (e não extra-extra-extra-seca) deve resultar de forma linda.   Porém, não o voltarei a comprar; tenho outras opções da Body Shop para experimentar, mas quero primeiro saber as vossas opiniões e sugestões.

E é isso por agora! O que acham desses produtos e o que recomendam?




02 abril 2017

23:31

Blog de Cara Lavada!


Olá, limonetes! Eu sei que não se passou assim tanto tempo desde o último post,  e sei que nós andamos assim um bocadinho distantes - mas era por uma boa razão, e aqui está ela! Temos andado ocupadíssimas com, além da nossa vida, uma reforma total do blog. E querem saber quais foram todas as coisinhas que mudaram? Vamos lá!

#1. O nome

De 'lemao doce' passou para 'limão doce'. Porquê? Porque toda a gente lhe chama limão por alguma razão e porque, de alguma forma, nos parece mais agradável ao ouvido do que 'lemao'. Além disso, 'lemao' lembrazido 'lemon' - um género de literatura homossexual explícita. E nós não temos absolutamente nada contra esse género de literatura (na verdade, algumas de nós *cof Rafa cof Mónica cof* até o lemos. Contudo, o blog não se trata disso, pois não? O que nos leva ao ponto. Ah, e o url/domínio vai continuar o mesmo, sim? Continua a ser lemaodoce.blogspot.pt. Simplesmente porque precisariamos de uns dois meses para fazer a mudança toda, com todos os links espalhados pela webs, e porque as pessoas já estão habituadas a esse url (habituam-se ao url mas não ao nome, né?)

#2. Uma ligeira mudança nos temas

Nada de extraordinário, provavelmente nem darão pela diferença, mas decidimos amadurecer um pouco o blog e torná-lo um pouco mais útil - sobretudo para outros jovens como nós. Assim sendo, 'lifestyle' tornou-se numa das categorias principais e pretendemos contribuir bastante para ela daqui em diante.

#3. O layout

Esta é a mudança mais visível, não? Agora temos um layout responsivo, em tons pastel e dourado, com a home page em miniaturas e muito mais moderno e simples de usar. O modelo base é da Sora Templates, mas as alterações são da Rafinha



#4. O logótipo

O antigo logótipo era bonito, mas não se encaixava muito bem neste novo... estilo do blog. Por isso decidimos investir num logótipo completamente novo. Queríamos algo minimalista e elegante. Depois de todas muito debatermos o assundo, chegámos a um consenso e  o logótipo foi desenvolvido pela Rafinha.

#5. Redes Sociais

Se mudou tudo, mudaram as redes sociais também, não é? Ainda que os urls delas também continuem as mesmas, as imagens mudaram para se adaptarem ao novo visual. 


#6. A organização do blog

Agora temos os temas principais e, dentro desses, alguns subtemas. Basta explorar o slider abaixo do logótipo para verem exatamente como funciona o novo menu, mas, de forma resumida, agora temos duas categorias  de fotografa - o Laboratório de Fotografia enquanto categoria principal, e Fotografia como sub-categoria apenas; temos uma sub-categoria para Design apenas; e entretenimento passou a dividir-se em quatro: literatura, cinema, tv e doramas. Listas também ganhou destaque, considerando que nós aqui adoramos fazer listas de todos os tipos. De resto, as coisas mantêm-se mais ou menos como estavam antes.


#7. Newsletter

Gritos de euforia, sim! Agora temos newsletter! Quão fabuloso é isso, pessoal? Nós ainda estamos a trabalhar nos freebies que vamos oferecer com a subscrição, mas contem com algo fabuloso, sim? 

#8. We Love Freebies

De agora em diante teremos muitos freebies. Aliás, aguardem só um pouco, que daqui a pouquinho tempo teremos uns bastante incríveis, feitos com todo o amor e carinho! 


#9. Uh

Eu não sei. Mas vão ver o novo MV das Girl's Day, que elas merecem.


Ver todo o projeto no Behance.







Gostaram das mudanças?
Que tipo de freebies gostavam de ter aqui no blog?
Opinem!
12:47

Laboratório de Fotografia #5 • 10 Coisas que Fotógrafos Estão Sempre a Ouvir



Este post faz parte de uma série.Para leres outros artigos com o mesmo tema, acede Laboratório de Fotografia.

1. "Vou partir a lente / câmara"

Uma moeda por cada vez que oiço isso e estaria rica. Juro.

2. "Com uma máquina dessas qualquer foto fica boa"

Ok, colega, então pega nela e faz o meu trabalho. Para que é que me chamaste aqui se podias simplesmente comprar uma máquina destas e fazer o meu trabalho? Não, não é assim que funciona.

3. "Também gosto de fotografia, mas não tenho uma câmara"

E desde quando é que não ter uma máquina mágica te impede de fotografar? Telemóveis hoje em dia já têm câmaras decentes, câmaras compactas já fazem fotografias de qualidade. Eu só tenho a minha DSLR há um ano e não a ter antes nunca me impediu de estudar e praticar fotografia. A qualidade fotográfica evidentemente não é a mesma, mas dá para praticar quando se gosta realmente de fotografia. Não ter equipamento é só uma desculpa para a preguiça.

4. "Ah, isso é só clicar num botão"

Certo. E escrever é só clicar em teclas, fazer uma cirurgia é só abrir um corte e cozinhar é só acender o lume.

5. "O meu iPhone também tira boas fotos"

Sim, iPhones e outras marcas já têm câmaras bastante boas e, em termos de qualidade de imagem, bastante equiparáveis há de máquinas fotográficas comuns. E por mais que eu incentive as pessoas a praticar com o que têm à disposição, considero um tanto arrogante aquele 'também' que por vezes é colocado na frase. Não é a qualidade das fotos que estou a questionar - mas sim a equivalência que se está a fazer a uma câmara verdadeira.



6.  "Depois dás um jeitinho no Photoshop, não é?"

Eu sou fotógrafa, não sou bruxa e nem faço magia. E por mais que certas coisas possam ser corrigidas no photoshop, eu não faço milagres. Nenhum fotógrafo faz milagres, nem com o photoshop. Apenas aprendemos uns truques que disfarçam os erros. Ainda assim, é errado assumir que todos os fotógrafos dominam o photoshop, até porque não é uma obrigação deles; a única coisa que qualquer fotógrafo deve dominar é, talvez, a melhoria visual da foto em geral, e não as rugas do sujeito ou os cabelos fora do sítio.

7. "Vens à minha festa e trazes a câmara, pode ser?"

Ou vou à tua festa como convidada, ou como fotógrafa. E podes ter a certeza que se for convidada, não vou levar a câmara. Separar a vida pessoal da profissional é importante; assim como não aproveitar da boa vontade dos amigos também é.

8. "Podes pôr a marca d'água!"

'Posso'? Colega, eu não posso, eu vou. Não preciso de permissão, porque é o meu direito. No máximo, podemos chegar a um acordo para não a colocar.

9. "Não dá pra pagar, mas como precisas de praticar..."

Prática não paga as contas, colega. Nem paga as propinas da faculdade, nem o material, nem o equipamento, nem as horas perdidas a estudar. Quem decide se o trabalho vai ou não contar como prática sou eu.

10. "Dás-me a câmara e eu tiro-te uma foto a ti"

Se pensas que vou dar o meu equipamento - caro, frágil e essencial para trabalhar - para as mãos de alguém que não é fotógrafo ou, muito menos, não conheço, estás muito, muito enganado. 

E na tua área, quais são as coisas que já não aguentas ouvir mais?


Disclaimer

Todos os conteúdos aqui apresentados têm os direitos reservados aos respetivos autores. À partida, todos os textos neste blog são da autoria de Rafaela Silva, Aléxia Oliveira e Mónica Simão, exceto em referência contrária, e não devem ser reproduzidos, adaptados ou copiados de forma alguma sem consentimento prévio. Todas as fotografias com marca de água de Rafaela Silva ou RS Fotografia e Design têm os direitos exclusivos de Rafaela Silva. As fotografias com a marca d'água de Lemao Doce ou Limão Doce pertencem exclusivamente ao blog. E todas as imagens não assinaladas pertencem aos respetivos autores e provavelmente virão de sites dedicados a imagens de stock (ver: 'Recursos')
Com tecnologia do Blogger.

Seguidores

Google+ Followers

Instagram